segunda-feira, 31 de março de 2014

Que Mundo Você Vive?

A década de 60 do século passado marcou um período em que a instabilidade mundial desencadeou eventos dignos de esquecimento. É bem verdade que também se notabilizou pela proliferação de uma cultura efervescente.

É nesse cenário que acontece um dos conflitos mais improváveis e bizarros da história que se intitulou de EUA contra John Lennon onde a máquina estatal fora usada pelo presidente Nixon contra o músico inglês que ousou manifestar seu pensamento contrário a guerra no Vietnã.

O cantor britânico passou então a enfrentar a fúria de um presidente corrupto e sanguinário sedento de poder que deflagrou uma carnificina desnecessária e que comoveu o povo norte americano.

Por aqui no Brasil as coisas não iam melhores, pois estávamos sob uma ditadura que utilizava os mesmos métodos de “investigação” e intimidação utilizados nos EUA já que eram treinados pelos agentes de lá. Naquele tempo qualquer um que ousasse pensar era tido como subversivo e comunista. Democracia era força de expressão e discurso retórico que se fingia existir.

Apoiados por uma minoria elitista e exploradora que desencadeou a chamada marcha da família os militares tomaram o poder no golpe de 64 e a vida por aqui não seria mais a mesma.

Passados quase trinta anos e, por incrível que pareça, espectros desfigurados ainda urram pelos cantos sombrios deste país desejosos de reencarnarem e usurpar a vida, a liberdade, e os direitos fundamentais. São meras assombrações que vagam pelo umbral de sua própria arrogância.

Acontece que nosso mundo está em colapso e não aguenta mais que estas criaturas disseminem sua perversidade pelo planeta. As pessoas acordaram e passaram a enxergar uma realidade que se escondia por detrás das intenções destes vermes bem vestidos e bem alimentados.

Perceba que estamos falando de comportamentos éticos que não possuem conotação com aspectos de caráter, mas que estão investidos de uma característica inteligente que permite que vários tenham acesso ao que é bom em contraste com aqueles que querem cercear este direito.

Eu tive o privilégio de ver de perto como um tipo de escória humana degrada tudo aquilo que toca e consome o corpo que infesta. Mas, se alguém pensa que tais criaturas não possuem um padrão comportamental está muito enganado, pois agem da mesma forma que os lacaios de Nixon: forjam, inventam, mentem, usam a coisa pública em benefício próprio seja pra enriquecer ilicitamente ou pra perseguir desafetos.

É o padrão do assédio moral que não vê limites em sua covardia para destruir pessoas. Não agirão pelas regras que criaram, pois nunca tiveram intenção de praticá-las, mas as usam como mecanismo de controle do “status quo”. É controlando pelo medo que procriam suas ovelhas servis e obedientes.

Mas, a mudança se instalou e nada puderam fazer para refreá-la apesar de seus ardis e de sua truculência desesperada. Sua prepotência os cega para as leis do universo que são incontroláveis e indeterminadas. Eles ignoram que um simples fator tido como insignificante altera o curso do processo desencadeando um sistema final novo e mais complexo que o anterior. Eles deveriam saber, pois participaram do processo que diz que da ordem surge o caos, ou seja, criaram os próprios monstros que se insurgiram para assombrá-los.

Pense por um momento o que você pode fazer, por mínimo que seja, que poderia desencadear um processo de mudanças. Não é preciso saber como isso se dará. Não tem como. Só é preciso fazer. Nem é preciso um grande ato, mas um esforço mínimo.


John Lennon e Yoko Ono tiveram uma ideia que foi considerada utópica de promover a paz mundial e foram subestimados, no entanto, o que parecia um ato inocente desencadeou uma mobilização popular sem precedentes que faria com que vidas parassem de morrer e deporiam um presidente corrupto.

Raniery


raniery.monteiro@gmail.com
@Mentesalertas

segunda-feira, 24 de março de 2014

Que Tipo De Idiota Destrói Organizações?

Já faz algum tempo que ouvimos sobre como a globalização afeta nossas vidas. 

De fato não há como negar isso. O mundo está interligado e cada vez mais interdependente. Nem é preciso dizer o quanto isto impacta as organizações de um modo geral.

A grande questão disso tudo é a que tem a ver comigo e com você. Qualificação disso, certificação daquilo, falar tal língua, reunião aqui e acolá, postura e comportamento organizacional, etc.

E só estamos falando no mínimo necessário pra se inserir no mercado de trabalho. Se quisermos um salário mais robusto estaremos só no começo da maratona, pois o mercado está exigente por conta dos fatores citados.

Tudo está relacionado a um contexto de mudança frenética com demandas cada vez mais complexas. O reflexo se dará diretamente nos níveis da economia, política, direito e mercados de uma forma geral, nesta espécie de ecossistema artificial.

Tudo por que há uma necessidade de competitividade que exige alta qualidade dos processos e meios de produção que são gerados por exigências de conhecimentos e informações cada vez maiores.
Ufa! Que trabalhão fazer funcionar toda esta engrenagem, não é mesmo?

Imagine os investimentos necessários pra mover este circo da economia. E se tiver dinheiro seu investido nesse processo? Obviamente que você exigirá rentabilidade, pois pretende lucrar e aumentar sua riqueza, pois tem o direito garantido pela livre iniciativa.

No entanto, há quem trabalhe contra tudo isso, por incrível que pareça. Mas, quem seria tão idiota a esse ponto? Porque não faz o menor sentido sabotar algo tão importante e que influencia a vida das pessoas de forma tão impactante.

Porém, é exatamente isto que faz um assediador moral quando ataca um dos bens mais valiosos de uma empresa e que deveria ser seu parceiro num compromisso que traz benefícios a ambas as partes.

A não ser que eu esteja extremamente equivocado, desconheço alguém que se motive a trabalhar e ser produtivo em um lugar onde a todo instante alguém o está prejudicando.  Lugares doentios tendem a adoecer as pessoas e estas não poderão ser úteis ou oferecer seus talentos e competências à organização.

Ora, se o objetivo de uma empresa é o lucro como poderia alguém em um cargo de confiança, por exemplo, agir desta forma contra seu próprio time? A não ser, que seja muito estúpido, não faz sentido tal comportamento, até por que irá desencadear uma série de prejuízos como faltas e afastamentos, ações judiciais, improdutividade, entre tantas outras.

Se o boçal não é um demente, então o que sobra é que ele está pouco se importando com a organização e isso é grave já que é um sintoma que poderá refletir em maiores e piores prejuízos levando a empresa até mesmo à falência  a despeito dos números  que no primeiro momento não demonstrarão isso.

Tais  gestores da destruição ainda insistem em existir nas entidades que se norteiam por  modelos arcaicos e desajustados diante dos atuais desafios caóticos que se apresentam. Organizações patriarcais no sentido de uma centralização mítica de poder e decisão estratégica favorecem a sobrevida destas ervas daninhas e acabam pagando um preço muito caro por isso.

Organizações que pretendem enfrentar um mercado hostil e competitivo não deveria se dar ao luxo de manter em seus quadros tumores cancerígenos  como esses, mas explorar processos eficientes indo muito mais além do que o óbvio e certo ou determinado. É uma questão de percepção arrojada e inovadora que é a condição necessária para enfrentar a altura os instáveis mercados pelo mundo afora.

Portanto, se uma empresa pretende ser ou se manter competitiva deveria expurgar de sua cultura organizacional práticas nocivas como o assédio moral. Priorizando valores mais eficientes em ambientes propícios desencadearia comportamentos mais produtivos e se manteriam em um nível autossustentável.


E quanto aos idiotas, seu lugar não é entre os competentes e que se adaptem ou fiquem de fora.
leia também: Ex diretores da Codesp são condenados à prisão
Raniery
raniery.monteiro@gmail.com
@Mentesalertas