segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Você conhece seus direitos e deveres?


A única forma de inibir a ação de um assediador moral ou mesmo uma empresa assediadora é, conhecer tanto seus direitos, quanto seus deveres.
É preciso ficar atento às manobras que chefes ardilosos arquitetam pra configurar um perfil indisciplinado sobre um funcionário, e assim, justificar uma demissão "sujando" sua ficha funcional, "criando" punições pra justificar tais acusações.
Eles se associam a departamentos de RH e sindicatos, que são tão sujos quanto, tudo na surdina, plantam um perfil que macule a imagem do trabalhador, que fica assim impossibilitado de defender-se, pois quando percebe a armadilha , já caiu nela e, em muitos casos, é tarde demais.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Fofoca



Toda vez que um "caboclo" vem com um comentário do tipo: “Cê viu que tão "dizeno" puraí?" - eu pergunto: quem está dizendo o quê? Daí o "cientista" fala - tão "falanu" tal coisa de tal pessoa, cê viu meu?


Eu retruco - Tá! Mas, me diz o nome do sujeito que está dizendo isso, pô! Aí o "mentecapto” responde em tom de santidade : "Não é ético falar o nome da fonte !" Nessa altura eu já tô P. da vida com o fofoqueiro e lhe pergunto se é ético replicar a fofoca, e, aí já viu né, a "criança” perde todo o rebolado e muda de assunto ou dá uma desculpa vaga e sai de fininho.


Já aconteceu isso contigo?


Recentemente aconteceu isso comigo por conta de pessoas perversas e manipuladoras que se utilizam de outras que são invejosas e subvernientes.


Como entrei com denúncia por assédio moral, junto ao MPT contra a empresa em que trabalho, por retaliação os assediadores lançaram um boato de que os promotores estariam proibindo as horas extras. Ficou clara a intenção de colocar as pessoas contra mim, aliás, essa não é a primeira vez que fazem isso.


Quando perguntados de onde vinha essa informação, eles respondem vagamente: "estão dizendo por aí... estão falando”! Novamente indagados se tiveram acesso a algum documento do órgão em questão, eles negam e insistem na frase: "estão dizendo".

Ora, um simples exercício de raciocínio básico ou de lingüística, desmonta qualquer comentário simplista como esse , que sequer consegue se estruturar em argumento - O que se diz , é dito por alguém, então, quem é que diz o quê de quem? E por que o diz?

Ou seja, qual é a sua intenção?!


Aquilo que é dito deve ter fundamento, deve ser comprovado, pois senão e mera maricagem ou fofoca mesmo. Que moral tem um fofoqueiro? Nenhuma! Mas o que parece, é desespero de quem sabe que foi pego, e, frustrado ataca impulsivamente numa tentativa alucinada de intimidação. 


Será que estão com medo?



A quem interessar apresento os fatos de forma  documentada :
Termo de audiência
Termo de audiência
Termos de audiência





Raniery
raniery.monteiro@gmail.com

Fofoca no ambiente de trabalho


A fofoca é o instrumento dos inseguros, infelizes, maldosos e manipuladores. Sempre que alguém tenta me atrair para uma conversa com fofocas, fico imaginando o que essa pessoa diz a meu respeito quando eu me afasto.


As pessoas que gostam de fofocar raramente admitem isso, e assim, muitas vezes disfarçam seus boatos com preocupação pelos outros ou como simples bate papo. Não importa qual a embalagem, a fofoca tem algumas características distintas. Primeiro, a fofoca é quase sempre negativa. Mesmo que a pessoa comece com um tom positivo, a conversa logo degenera numa crítica. Segundo, a pessoa que fofoca normalmente quer persuadir você de seu modo de pensar ou descobrir a opinião que você tem sobre a vítima da fofoca. Finalmente, a pessoa que instiga a sessão de fofoca normalmente está tentando levantar seu próprio ego, ao menosprezar outra pessoa.

O melhor modo de descobrir os motivos da fofoca é considerar o alvo e o contexto. O ciúmes e o ressentimento provavelmente serão os motivos se o alvo for um competidor social ou profissional. Se o assunto for um conhecido em comum, o fofoqueiro está querendo descobrir o que você pensa da vítima ou deseja influenciar sua opinião. Às vezes, a pessoa que está fofocando está estritamente caçando informações: a fofoca normalmente provoca mais fofoca.
É também um modo de a pessoa se sentir importante e conseguir atenção.

Trecho extraído do livro: Decifrar pessoas - como entender e prever o comportamento humano 
Autores: Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazzarella




raniery.monteiro@gmail.com

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

SUPERAÇÃO

Viver consiste em dominar a arte da superação. Desde o momento de nossa concepção até o dia de nossa partida deste mundo físico, somos expostos a inúmeras situações e circunstâncias que exigem de nós a capacidade de exercer a vida.

Se pararmos para pensar em como se deu nossa existência veremos que fomos dotados do poder da superação. Imagine você, estando entre milhões de espermatozóides  e , apenas um, chegar até o fim da jornada  fecundando o óvulo.A partir daí , começar a formação de um ser complexo em estrutura e  organização.

Tudo passa a ser desafiante: o amadurecimento e utilização das funções orgânicas, domínio dos movimentos, controle da fala entre tantas coisas.
Essa viagem transcorre até os dias de hoje onde os anos se passaram e tantas histórias você tem para contar. É a resistência da vida, é o fôlego da vida... é a força da vida. Houveram inúmeras situações e interações onde você reagiu, não ficou inerte, porque está vivo.

Se fizermos uma viagem inversa no tempo e aterrisarmos no ponto onde estávamos nos organizando enquanto seres sociais, perceberemos que foi exatamente essa condição que proporcionou o nosso sucesso como espécie. E então, descobrimos o nascimento dos conflitos. Era (e ainda é) necessário lidar com os mais fortes e os mais fracos, tínhamos que entender o conceito de relações políticas e gradativamente fomos evoluindo.

Se antes nosso inimigo era o dente de sabres, o frio, o calor, a fome e demais testes à sobrevivência, hoje nos vemos frente a frente com o subjetivo, com as intenções, com os "fantasmas" do desemprego, por exemplo, ou os demônios do consumismo compulsivo e a obsessão por ter que mostrar o quanto somos tão bem sucedidos quanto nossos ídolos da TV e cinema.

Com toda essa pressão por desempenho e status alimentamos e acalentamos nossas mais insanas fantasias. Investimos em carreiras, prestamos concursos e desejamos ter e possuir.

Eis que num belo dia nos deparamos com outras pessoas que estão querendo a mesma coisa que nós e muitas vezes sem o mesmo senso ético ou moral. O atrito então é praticamente inevitável. E se você ainda por cima, tiver a desagradável e infeliz oportunidade de ver sua resistência testada por um perverso competidor social ou profissional, logo saberá o que é ter que lidar com medos, ansiedades, depressão e verá sua vida sendo desafiada de verdade.

Em nossos dias é quase impossível não experimentar as conseqüências de viver nas grandes cidades em toda a sua dinâmica e volúpia.

É importante que paremos por um momento para olhar para o nosso interior, nossa alma e nos apresentemos novamente à nós mesmos, para nos conhecer e reconhecer mais uma vez. Enxergar as pessoas ao invés de somente vê-las. Enfim, nos reconstruir. Curarmos-nos. Um processo de reengenharia pessoal em todos os níveis.

Superação pode ter uma conotação diferente para cada pessoa e realidade, mas que ao final trará um resgate pessoal, uma nova visão de mundo talvez.

Tudo pode começar com uma dor e se transformar em uma nova existência ou missão na vida, com um propósito maior, que cause um bem maior e que nos tire de nosso egocentrismo.

A pergunta que se faz é: você quer a superação ou o comodismo?Com a palavra, a pessoa mais importante do mundo: você.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Depressão





DEPRESSÃO


Sinônimos e nomes relacionados:

Transtorno depressivo, depressão maior, depressão unipolar, incluindo ainda tipos diferenciados de depressão, como depressão grave, depressão psicótica, depressão atípica, depressão endógena, melancolia, depressão sazonal.

O que é a depressão?

Depressão é uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a com um predomínio anormal de tristeza. Todas as pessoas, homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem ser atingidos, porém mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Em crianças e idosos a doença tem características particulares, sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também freqüente.

Como se desenvolve a depressão?

Na depressão como doença (transtorno depressivo), nem sempre é possível haver clareza sobre quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida, diferentemente das reações depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo, nas quais é possível localizar o evento desencadeador.

As causas de depressão são múltiplas, de maneira que somadas podem iniciar a doença. Deve-se a questões constitucionais da pessoa, com fatores genéticos e neuroquímicos (neurotransmissores cerebrais) somados a fatores ambientais, sociais e psicológicos, como:
  • Estresse
  • Estilo de vida
  • Acontecimentos vitais, tais como crises e separações conjugais, morte na família, climatério, crise da meia-idade, entre outros.

Como se diagnostica a depressão?

Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa, durando a maior parte do dia por pelo menos duas semanas, nem sempre sendo possível saber por que a pessoa está assim. O mais importante é saber como a pessoa sente-se, como ela continua organizando a sua vida (trabalho, cuidados domésticos, cuidados pessoais com higiene, alimentação, vestuário) e como ela está se relacionando com outras pessoas, a fim de se diagnosticar a doença e se iniciar um tratamento médico eficaz.

O que sente a pessoa deprimida?

“Freqüentemente o indivíduo deprimido sente-se triste e desesperançado, desanimado, abatido ou “na fossa”, com ” baixo-astral “. Muitas pessoas com depressão, contudo, negam a existência de tais sentimentos, que podem aparecer de outras maneiras, como por um sentimento de raiva persistente, ataques de ira ou tentativas constantes de culpar os outros, ou mesmo ainda com inúmeras dores pelo corpo, sem outras causas médicas que as justifiquem. Pode ocorrer também uma perda de interesse por atividades que antes eram capazes de dar prazer à pessoa, como atividades recreativas, passatempos, encontros sociais e prática de esportes. Tais eventos deixam de ser agradáveis. Geralmente o sono e a alimentação estão também alterados, podendo haver diminuição do apetite, ou mesmo o oposto, seu aumento, havendo perda ou ganho de peso. Em relação ao sono pode ocorrer insônia, com a pessoa tendo dificuldade para começar a dormir, ou acordando no meio da noite ou mesmo mais cedo que o seu habitual, não conseguindo voltar a dormir. São comuns ainda a sensação de diminuição de energia, cansaço e fadiga, injustificáveis por algum outro problema físico.

Como é o pensamento da pessoa deprimida?

Pensamentos que freqüentemente ocorrem com as pessoas deprimidas são os de se sentirem sem valor, culpando-se em demasia, sentindo-se fracassadas até por acontecimentos do passado. Muitas vezes questões comuns do dia-a-dia deixam os indivíduos com tais pensamentos. Muitas pessoas podem ter ainda dificuldade em pensar, sentindo-se com falhas para concentrar-se ou para tomar decisões antes corriqueiras, sentindo-se incapazes de tomá-las ou exagerando os efeitos “catastróficos” de suas possíveis decisões erradas.
Pensamentos de morte ou tentativas de suicídio
Freqüentemente a pessoa pode pensar muito em morte, em outras pessoas que já morreram, ou na sua própria morte. Muitas vezes há um desejo suicida, às vezes com tentativas de se matar, achando ser esta a “única saída " ou para " se livrar " do sofrimento, sentimentos estes provocados pela própria depressão, que fazem a pessoa culpar-se, sentir-se inútil ou um peso para os outros. Esse aspecto faz com que a depressão seja uma das principais causas de suicídio, principalmente em pessoas deprimidas que vivem solitariamente. É bom lembrar que a própria tendência a isolar-se é uma conseqüência da depressão, a qual gera um ciclo vicioso depressivo que resulta na perda da esperança em melhorar naquelas pessoas que não iniciam um tratamento médico adequado.
Sentimentos que afetam a vida diária e os relacionamentos pessoais
Freqüentemente a depressão pode afetar o dia-a-dia da pessoa. Muitas vezes é difícil iniciar o dia, pelo desânimo e pela tristeza ao acordar. Assim, cuidar das tarefas habituais pode tornar-se um peso: trabalhar, dedicar-se a outra pessoa, cuidar de filhos, entre outros afazeres podem tornar-se apenas obrigações penosas, ou mesmo impraticáveis, dependendo da gravidade dos sintomas. Dessa forma, o relacionamento com outras pessoas pode tornar-se prejudicado: dificuldades conjugais podem acentuar-se, inclusive com a diminuição do desejo sexual; desinteresse por amizades e por convívio social pode fazer o indivíduo tender a se isolar, até mesmo dificultando a busca de ajuda médica.

Como se trata a depressão?

A depressão é uma doença reversível, ou seja, há cura completa se tratada adequadamente. O tratamento médico sempre se faz necessário, sendo o tipo de tratamento relacionado ao perfil de cada paciente. Pode haver depressões leves, com poucos aspectos dos problemas mostrados anteriormente e com pouco prejuízo sobre as atividades da vida diária. Nesses casos, o acompanhamento médico é fundamental, mas o tratamento pode ser apenas psicoterápico.
Pode haver também casos de depressões bem mais graves, com maior prejuízo sobre o dia-a-dia do indivíduo, podendo ocorrer também sintomas psicóticos (como delírios e alucinações) e ideação ou tentativas de suicídio. Nessa situação, o tratamento medicamentoso se faz obrigatório, além do acompanhamento psicoterápico.
Os medicamentos utilizados são os antidepressivos, medicações que não causam “dependência”, são bem toleradas e seguras se prescritas e acompanhadas pelo médico. Em alguns casos faz-se necessário associar outras medicações, que podem variar de acordo com os sintomas apresentados (ansiolíticos ou antipsicóticos).



raniery.monteiro@gmail.com

Bullying