quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Ataque Terrorista

Homens mascarados atacaram a sede de uma revista satírica francesa nesta quarta-feira matando ao menos 12 pessoas antes de fugirem. O ataque, classificado como terrorista pelo presidente François Hollande, é o com maior número de mortos na França nas últimas duas décadas.

Testemunhas contaram que, antes de deixarem o local, os homens teriam gritado "Vingamos o profeta!", segundo o jornal Le Monde. Há ainda três feridos internados em estado grave.

Rocco Contento, porta-voz do sindicato dos policiais local, disse aos jornalistas que três suspeitos fugiram em um carro dirigido por um quarto homem. O veículo seguiu no sentido de Port de Pantin, onde o grupo teria roubado outro carro e fugido, de acordo com o jornal inglês The Guardian.

Horror: Presidente da França classifica ataque a jornal como ato terrorista

Segundo Hollande, o ataque ao Charlie Hebdo é um "ataque terrorista, sem sombra de dúvidas". O semanal é frequentemente alvo de críticas por fazer caricaturas do profeta Maomé, líder religioso muçulmano. O presidente disse ainda que vários outros ataques foram frustrados pelas autoridades nas "semanas recentes".

No Boulevard Richard-Lenoir, um carro da polícia ficou crivado de buracos de bala no pára-brisa, segundo o britânico The Guardian.


Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

A liberdade de expressão e imprensa, ou, de pensamento é um símbolo dos Estados Democráticos de Direito- uma liberdade fundamental. Essa liberdade, icônica dos princípios democráticos, no entanto sofre cotidianamente de reacionários que odeiam tal liberdade.

Mas, quem imagina que isso é coisa de extremistas radicais se engana. Recentemente numa empresa pública conhecida um chefe foi alvo de um ataque por conta de postar em seu blog informações de relevância à categoria; na verdade tudo não passou de uma jogada que se utilizou desta desculpa como forma de retaliação por sua causa na justiça ter sido favorável a ele. Advinhe qual o mérito: assédio moral...


Perceba, então, que terrorismo não está circunscrito somente à violência armada, mas a psicológica flui ironicamente em plena liberdade.
Raniery


raniery.monteiro@gmail.com

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

O Que Há Pra Comemorar

Faz dez anos que passei em um concurso público- sonho de muitos brasileiros.

Simultaneamente a isso, sofro com um processo de assédio moral deflagrado por empregados públicos que sequer passaram pelo mesmo processo de aferimento de conhecimento que eu já que migraram junto com a estatização da empresa.

Veja, supri todas as exigências contidas no edital por mérito do esforço empregado no período de preparação, ou seja, sou plenamente apto a exercer as funções que o cargo exige. Nem por isso parei no tempo e de lá pra cá me qualifiquei ainda mais, e na verdade, nunca fui confrontado nesse quesito.

Ocorre que nada disso é considerado como recurso positivo, mas pelo contrário afeta a condição psicológica de desequilíbrio que se manifesta através destas pessoas que citei. Como estão lá há muito tempo, se consideram proprietários da coisa pública confrontando todo e qualquer instituto jurídico cogente.

Ora, não tenho motivos para comemorar nada nesses dez anos, pois venho sendo sistematicamente prejudicado na carreira, no salário e nas minhas relações com a instituição: tudo programado e orquestrado pelos assediadores que se utilizam de contatos internos como fornecedores de punições fraudulentas que visem causar prejuízos àqueles que perseguem. Tudo é feito com ligeira aparência de legitimidade que se não for desmascarada acabam passando desapercebidas.

Recentemente um funcionário me contou como fazia pra induzir colegas a pedir demissão forjando as punições com penas desproporcionais; o trabalhador, então, preocupado com uma possível demissão por justa causa acabava se demitindo para não se prejudicar em outro concurso. Conversando por esses dias com um representante sindical fora me dito que isso é conhecido há anos, ou seja, nada do que narrei aqui é fruto de uma ideia paranoica derivada de mania de perseguição- é fato.

Não! Não comemoro o bizarro e o absurdo, nem a demagogia e hipocrisia; também não me dobro pra vagabundo ou verme e enquanto eu estiver lá me defenderei e oferecerei a devida resistência à altura da agressão, portanto, não posso jamais achar que um lugar que dissemine este tipo de violência seja bom.

O que comemorarei é que faz dez anos que os assediadores fracassam diante de mim e que hoje há uma maior conscientização pelo grupo e que a vida destes desequilibrados não é mais a molezinha de antes já que enquanto estão olhando pra mim não conseguem detectar outros que estão se mobilizando contra eles.

Agradeço, então, ao divino, toda proteção que me dá contra tais forças obscuras da maldade, pois nada do que fazem fica sem o devido retorno, e no devido tempo sua perversidade lhes é devolvida.

Como os assediadores são leitores assíduos deste blog já lhes dou o recado: continuarei firme e forte contra vocês em 2015- Um abraço!
Nikola Tesla
Raniery

raniery.monteiro@gmail.com