quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Reflexo Distorcido


Não é preciso ser gênio para concluir que a humanidade anda mal das pernas. Basta uma olhada ao seu redor ou mesmo acompanhar pelos noticiários que a coisa descambou. Todos os dias ouvimos algo sobre bullying, assédio disso e daquilo, mortes em colégios por psicóticos, homicídio por motivos fúteis etc.

A cultura da violência se instalou e a vida está banalizada. Em cada esfera da sociedade parece existir um parasita qualquer tentando levar vantagem sobre os outros e ávido por quebrar as regras. A consciência moral das pessoas parece ter evaporado de seus cérebros.

Fico me perguntando todos os dias o que está acontecendo com as pessoas para estarem assim tão egoístas e individualistas como se fosse possível alguém viver só sem precisar da comunidade de forma geral.

O culto ao narcisismo que vemos incentivado pelas principais mídias que exploram desejos emocionais das pessoas em função da venda de seus produtos a dezenas de anos vem inculcando em suas mentes que são os centros do universo.

Os pais se sentem culpados por educar seus filhos e corrigi-los como se isso fosse um crime. Em grande parte há a culpa dos avós que acham bonito dizer que existem para estragar os netos, e, estranhamente há um consenso social em relação a esta postura absurda que cria futuros monstros inadaptáveis ao corpo social.

O cidadão cresce e se desenvolve achando que tudo gira ao seu redor e que todos devem tratá-lo como o bebê da mamãe e da vovó senão ele dará seu pequeno show numa explosão de “siricuticos” desmedidos. Não há limites. Os seres chantagistas são vistos com dozinha e não podem ser contrariados em hipótese alguma senão a vovó e o vovô ficarão magoadinhos, afinal são os mestres no ensino da arte da chantagem, não é?

Falando dos avós, muitos estão convictos que dominaram o conhecimento do universo e que são detentores da verdade e de forma egoísta passam a interferir (estragar) na educação que os pais estão dando a seus filhos. É curioso notar que os mesmos já tiveram sua vez de educadores e querem impor sua visão de mundo passando por cima de quem de fato é o responsável por isso. Em seu momento acertaram e erraram, mas insistem em interferir na educação dos netos, e, realmente os desandam propiciando o surgimento de pequenos tiranos que fazem os pais passar vergonha por onde andam.

Complicado, viu! Conviver com essas pessoas é uma das coisas mais difíceis que se tem, pois não andam pela lógica, razão ou bom senso, mas pelo que dá nas suas “telhas”. Acreditam mesmo que todos devem se submeter a eles. São verdadeiros parasitas sociais. Não dão valor a nada e acreditam que tudo lhes é devido.

Os mimadinhos bonitinhos e fofinhos da vovó serão os agressores morais e físicos de amanhã, ou o inverso, serão as vítimas destes. Seja como for não estarão preparados para enfrentar o mundo como ele é. Serão causadores de transtornos ou seus alvos.

Se as pessoas sentem dificuldade em entender conceitos humanos de sociedade deveriam se espelhar na natureza que está repleta de exemplos em que determinadas espécies se tornaram bem sucedidas por viver em grupos, o que é o nosso caso.  Incrivelmente decidimos contrariar nossa natureza e nadar contra a maré evolucionária nos tornando narcisistas compulsivos.

Não é a toa que ficamos perplexos pela degradação humana vivenciada nos últimos tempos. Talvez a sociedade precise rever seus conceitos, ressuscitar antigos valores e princípios sadios, descartando qualquer falsa moralidade de outrora. Em hipótese aqui eu me refiro a destruir a autoestima, mas cultivá-la equilibradamente colocando-a em seu devido lugar.

Neste ritmo a sociedade individualista pode muito bem estar se condenando à extinção, o que não deixa de ser um paradoxo já que não há sociedade de individuais, mas de indivíduos, ou melhor, de cidadãos, o que me leva a pensar no conceito de cidadania.

Precisamos acordar sociedade!  
Raniery