segunda-feira, 29 de maio de 2017

We should love

"Heroes", música de David Bowie, escrita em parceria com Brian Eno e produzida por Bowie e Tony Visconti. A faixa foi gravada entre julho e agosto de 1977, e lançada em 23 de setembro daquele ano. 

O single acabou se tornando uma das canções mais reconhecidas do cantor. Em janeiro de 2016, após a morte de Bowie, a faixa chegou ao n°12 na UK Singles. ”Heroes" foi citada como a segunda faixa de Bowie mais regravada por outros artistas, atrás somente de "Rebel Rebel".

Inspirada em um beijo entre Tony Visconti e sua namorada (amantes) nas proximidades do Muro de Berlim, a canção tem um tom "dramático”.  Em 6 de junho de 1987, Bowie tocou " 'Heroes' " no Reichtag, em Berlim Ocidental, o que foi considerado um catalizador para a queda do Muro. Após a morte de Bowie, o governo alemão agradeceu o músico por "ajudar a derrubar o Muro", acrescentando que "você está entre os Heróis".

Desde seu lançamento, " Heroes " recebeu muitos elogios, como pode ser percebido pela sua frequente presença em listas de "melhores canções de todos os tempos"; Já foi dito que a canção "é talvez a afirmação definitiva do pop acerca do potencial triunfo do espírito humano sobre as adversidades".

Amor, é o tema tratado no filme “Jerry Maguire - a grande virada” porquanto um jovem e promissor agente de celebridades esportivas se cansa de todo o jogo sujo e cruel que se desenvolve no meio dos negócios em nome da competitividade e do dinheiro e passa a defender ideais superiores e inspiradores conquanto isso acaba se virando contra ele. O detalhe fica para o colega boçal que lhe invejava, mas que tem um momento de glória na derrocada do personagem. O cenário fica cada dia pior para Jerry, mas ao mesmo tempo uma onda de mudanças passa a ocorrer.

O longa está entre os filmes indicados a acadêmicos de administração como fonte de inspiração para uma nova forma de se fazer negócios onde somente o lucro a qualquer preço, ainda que pisoteando e esmagando pessoas, não deveria ser o fim em si mesmo. Na verdade, esta é uma ideia ultrapassada já, que entre outras coisas, a rentabilidade é elemento tão importante quanto o lucro e ainda mais, porquanto se situa em estratégias de longo prazo, ou seja, uma empresa rentável durante muito tempo é melhor que aquela que dá um grande lucro hoje e amanhã sofre uma queda vertiginosa.

Não só isso, mas trata-se da valorização das pessoas – os agentes principais de todo o processo. Jerry começa a aprender a dar valor para as pessoas que estão ao seu lado, o que inclui os seus agenciados que não serão mais vistos como máquinas de fazer dinheiro, mas indivíduos com sentimentos, dramas, idiossincrasias que precisam de atenção, tanto quanto os dólares tão almejados.

Se o filme está entre os chamados “cult”, sobretudo, entre os empreendedores, não é menos verdade que ele trabalha, e, muito bem, a superação de adversidades em nome de uma convicção/ inspiração pessoal. Dois momentos me chamaram atenção no que pese ao comportamento do grupo. No primeiro, quando Jerry está por cima, todos o bajulam, admiram e o invejam; no outro, quando ele está por baixo, e, sob intensa pressão, todos viraram as costas, à exceção de uma moça.  Isso demonstra entre outras coisas que a dependência da aprovação do grupo pode muito bem se tornar uma ilusão amarga de se experimentar.

Recentemente fui demitido de minha empresa após 12 anos enfrentando um assédio moral sistemático. Nesse período eu vi e vivi de tudo nessa questão. Não conheço ninguém que tenha passado tanta coisa nesse sentido quanto eu. Vi a traição de pessoas da família e de quem se dizia amigo; vi a covardia daqueles que se dizem cristãos, mas que se associam ao diabo; em cada onda que se seguia, ficava nítido quem era quem entre as pessoas. Portanto, talvez ninguém ali saiba tão bem o que é a natureza humana, ainda mais, quando exposta aos jogos sujos de gestores igualmente pútreos.

Prestes a encaminhar aos órgãos competentes toda a sujeira que ali está acontecendo para que investiguem e determinem que a empresa se ajuste e mesmo após a repercussão que as demissões injustificadas atingiram, é inacreditável que um gestor ligado a bandidos ainda continue a fazer da empresa pública seu ninho de delitos. Chegou ao ponto de ameaçarem de demissão os médicos do trabalho caso não recusem os laudos periciais de empregados que adquiriram lesões trabalhistas. A coisa é tão bizarra que o tal gestor fora flagrado ostentando uma arma aos funcionários - ou está com muito medo ou é um debilóide desequilibrado mesmo.

Amor e paixão pelo que se faz. Eu tenho visto alguns falsos representantes sindicais, que na ocasião da convocação de todos para que fossem à assembleia legislativa da câmara de vereadores de Santos se insurgir contra as demissões injustificadas, agora, posando de defensores dos seus representados. 

Lembro-me do principal fanfarrão fazendo campanha explicita nas redes sociais contra nós, nos chamando de vagabundos e posteriormente quando teve acesso indevido às nossas fichas, nos expôs deliberadamente pretendendo se gabar disso. Não, não foi somente o Jerry Maguire que teve um “colega” boçal que o sacaneou. E isso não passará batido.

“E as armas, atiravam sobre nossas cabeças (sobre nossas cabeças)
E nós nos beijamos, como se nada pudesse cair (nada pudesse cair)
E a vergonha, estava do outro lado”.

A segunda guerra terminara e a Alemanha e o mundo foram divididos por um muro...de intolerância. No Brasil, acabamos ficando à mercê de militares golpistas. Não era a minha guerra. Eu nada tinha contra russos ou norte-americanos, mas nem o muro e nem as armas nucleares foram fortes o bastante para vencer o amor, pois queríamos amar e não guerrear. O impossível parecia estar acontecendo quando os primeiros tijolos foram marretados...eles não venceram, e o muro caiu!

O trecho da música diz que a força do amor supera a violência dos truculentos e que não são os amantes (aqueles que acreditam) que devem se envergonhar, mas que envergonhados devem estar os covardes, pois necessitam de artimanhas às escusas para derrubar aqueles a quem temem, pois não estão à altura deles. Não, de nada adianta irem aos cultos orar a Deus fingindo serem santos, pois estão nús diante daquele altar e estão sob sentença. 

E não só isso: estão sem proteção e não podem pedi-la, pois lhe será negada, porquanto agiram contra aquele que não lhes fizera mal, portanto agiram contra o seu próprio Deus que é o seu julgador – além, de suas consciências! Eles sabem: “ninguém pode servir a dois senhores”; “não pode água e óleo se misturar e nem trevas a luz”...não sou eu quem diz isso, é a Bíblia deles. Estão sob condenação. E eu posso pedir justiça contra eles. A lei do retorno é implacável...

De outro lado, tudo isso, ao invés de me abater acelerou todo um processo que já estava em curso. Meu lado empreendedor tem vindo à tona numa velocidade quântica e da mesma forma como Jerry Maguire aprendeu eu tenho explorado minhas melhores competências/ habilidades e visto como as portas de oportunidades e possibilidades se abrem quando nos abrimos para o novo e para as mudanças. 

Eu sempre digo, “ninguém deveria viver com e pelo medo”, nenhuma sacanagem é demais que possa derrubar um espírito empreendedor. A lei da compensação acaba por nos advogar nessas horas contra as injustiças de pessoas medíocres.

Nenhum assédio moral é mais vitorioso que um espírito que não se dobra ou se entrega, nenhuma maldade é suficientemente forte que possa segurar um espírito cheio de luz e força de vontade. Os anjos se mobilizam ao redor daqueles que andam em justiça, mas se voltam contra os perversos para os destruir. 

Alguém disse: será que Deus não está usando o sacana como instrumento para que passemos por uma prova? Eu não acredito, pois isso abrandaria e justificaria a sacanagem. Mas, um indício de que estou certo encontra-se em uma passagem bíblica onde Daniel, um hebreu cativo, é jogado na cova dos leões por seus desafetos e os anjos impedem que os animais o devorem, mas o mesmo não ocorre com os covardes inimigos dele que foram destroçados pelos mesmos leões. Seja figura de ficção ou não, o texto deixa claro uma aversão a este tipo de gente num sentido interpretativo.

Mas, de tudo isso que passamos - decorrência da vida em grupo - a melhor lição que podemos tirar é a de não abaixarmos a cabeça diante das adversidades, ainda que no seu epicentro tenha o dedo de gente pilantra e mau caráter; pois a luz interior que portamos quando invocada faz surgir um indivíduo capaz de coisas que jamais imaginou quando estava tudo calmo na zona de conforto. 

É um convite a viver com paixão, buscar o que a vida pode nos dar de melhor, nos libertar dos grilhões escravizadores do medo, realizar, semear o melhor ao invés de rastejar como vermes em estados lamacentos. Então, ao invés de alimentar o ódio deveríamos amar...mesmo debaixo dos tiros de fuzis, pois, “mil cairão ao meu lado e dez mil a minha direita, mas eu não serei atingido”.

No final, Jerry tem a sua merecida virada, após superar os percalços iniciais e os ganhos foram maiores e melhores que se ele não decidisse dar ouvidos à sua consciência e adotado uma nova visão de mundo. A vitória...pertence aos perseverantes!


Sejamos amantes! Vivamos com paixão! Façamos o que mais gostamos! Tratemos ao outro da melhor maneira! Nos elevemos! 

We can be heroes...
Raniery