terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Resistência psicológica


É preciso entender que o principal objetivo do assediador moral é tirar sua vítima de seu estado de equilíbrio emocional, e, portanto, desestabilizá-la.

Como, via de regra, o agressor, ou é um chefe, ou um colega ligado a ele pelo cordão do puxa-saquismo, evidentemente que o ataque se dá no limite da covardia.

Sendo uma luta desigual e injusta, cabe ao agredido se defender, preservando, justamente, sua energia emocional. É tarefa árdua, já que gera stress, mas é o que deve ser feito ou então sucumbir. Aliás, não reagir só despertará o frenesi do agressor.

Pra defender-se eficazmente será preciso estar com seu estado emocional fortalecido o que, em casos mais avançados, será muito difícil e, é aí, que entra em cena a necessidade de se contar com a ajuda de um profissional especializado ou mesmo de se afastar por um período.

Vale ressaltar que é preciso, em primeiro lugar, retomar a razão, pra só depois pensar numa estratégia de defesa eficiente. Será preciso prestar atenção no que há por trás de cada atitude antiética, o que só se consegue com a cabeça fria.

Não alimentar o agressor ou ceder ao seu jogo permitirá equiparar as forças e neutralizar suas estratégias. Evidentemente que isso pressupõe um enorme esforço da vontade pra não ceder às provocações. Apoderar- se do próprio autocontrole criará uma blindagem invisível que permitirá a invulnerabilidade- que fará com que toda energia negativa volte de onde partiu produzindo um curto circuito em todo sistema perverso. E funciona! Vi isso acontecer diante de meus olhos quando o agressor acusou o golpe num ataque hilário de "siricutico".

Obviamente que a vida, a partir de então, não será fácil, pelo fato do assediador se enfurecer com a justa resistência. De qualquer forma, o ambiente já havia se tornado precário mesmo! Mas, é preciso não vacilar, já que qualquer erro será usado contra o perseguido, daí porquê, se acautelar pra não cair em alguma "casa de caboclo"(armadilha).

Um fator importante e que deve ser levado em conta, é a comunicação perversa constituída pelos subentendidos e os não ditos. Sistema, aliás, que eles utilizam no auge de seu cinismo e cara de pau. Fica claro que não se pode aceitá-la. Ao contrário, deve-se exigir a explicação exata do que se diz pra não permitir dúbias interpretações. Uma das características deste tipo de comunicação é plantar a dúvida e a confusão pra depois alegar que a vítima é desequilibrada diante dos demais.

Pra lidar com estas criaturas se faz necessário uma nova abordagem do que se está acostumado. Deve-se reagir e agir justamente de forma oposta àquela que o agressor espera. A regra aqui é não alimentar o sadismo do agressor. Portanto, se ele quer te deixar irritado, deve- se permanecer o mais tranquilo possível ou sequer manifestar alguma reação. Isso confundirá o assediador que esperava justamente a agressividade pra projetar a culpa na vítima, principalmente diante do grupo.

Lembrando que haverá o momento propício pra falar do ocorrido, ainda mais que durante cada ataque deve se ter o cuidado de registrar tudo, seja por gravação, testemunha, e-mail etc.

Por isso que pra reagir de forma racional é preciso controlar os nervos e saber que se tem uma estratégia pra "capturar" o predador social, que será pego lá na frente, sentado diante de um juiz trabalhista. A regra é não cair na armadilha do assediador.

Resistir psicologicamente, ao assédio moral, dentro das atividades laborais, é uma estratégia legítima pra proteger seu direito de trabalhar que foi violado por um imbecil incompetente qualquer. Aliás, já está na hora das empresas acordarem e entenderem que este tipo de gestão é desastrosa e só acarreta prejuízos e, então, finalmente chegarem ao século XXI.

Incrivelmente nós vivemos um eterno corre-corre, sem tempo pra nada e não conseguimos parar pra observar as pessoas ao nosso redor. Até nossas comunicações se dão à distância, de forma insubstâncial, sem olhar nos olhos, através de frases sem expressões. Não é de se admirar que eventualmente sejamos pegos de surpresa por algum maldoso sem termos chance de defesa.

Nosso conhecimento das pessoas se dá na superficialidade e desta forma não conseguimos saber quem são na realidade; se já é difícil entender as que conhecemos a anos e nos surpreendemos com suas reações o que dirá daquelas que não possuem compromisso conosco!

A grande verdade é que vivemos em um tempo em que as pessoas estão cada vez mais exclusivistas, só pensam em si, e, pra conseguirem o que querem não pensam duas vezes em passar os outros pra trás. Sendo assim, se faz necessário estar, no mínimo, atento pra não ser o enganado.


De qualquer forma o competente sempre prosseguirá independente das adversidades que encontre, aopasso que o medíocre, também, continuará a sê-lo. Por isso que devemos estar preparados e 
fortalecidos 
internamente pra enfrentar 
este tipo de gente perversa cujo únicoobjetivo é te deixar pra baixo, te,humilhar e te desestabilizar pra, assim, sentir-se realizado.


Raniery
raniery.monteiro@gmail.com