quarta-feira, 30 de março de 2011

Mitomaníacos


O longa brasileiro VIPs conta a história real de Marcelo Nascimento da Rocha, que hoje cumpre pena por estelionato em Goiás. O filme tem como protagonista o ator Wagner Moura.


Marcelo foi condenado à prisão em regime fechado por aplicar vários golpes. Fingiu ser oficial do Exército, guitarrista da banda Engenheiros do Hawaii e herdeiro da empresa de linhas aéreas Gol. Até entrevista para o apresentador Amaury Júnior ele deu, fingindo ser uma das identidades criadas por ele próprio.

Essa história tem uma similaridade ímpar com o filme “Prenda- me se for capaz" protagonizado por Leonardo Dicaprio e não ficaria surpreso se o criminoso brasileiro tivesse buscado inspiração ali para realizar seus delitos.

Frank Abagnale Jr. (DiCaprio) já foi médico, advogado e co-piloto, tudo isso com apenas 18 anos. Mestre na arte do disfarce, ele aproveita suas habilidades para viver a vida como quer e praticar golpes milionários, que fazem com que se torne o ladrão de banco mais bem-sucedido da história dos Estados Unidos com apenas 17 anos. Mas em seu encalço está o agente do FBI Carl Hanratty (Tom Hanks), que usa todos os meios que tem ao seu dispor para encontrá-lo e capturá-lo.

Poderíamos dizer que são os pilantras imitando arte.

A mentira, trapaça e manipulação fazem parte do currículo deste tipo de mente ardilosa. É a mentira psicopática, e sendo assim, é perfeitamente possível concluir que essas criaturas são mentirosos contumazes, mentem profissionalmente, olhando nos olhos das pessoas que, concluem ilusoriamente, que o que dizem é verdade, caindo desta forma, em suas armadilhas.

Pondere você: todos nós em algum momento mentimos, de forma consciente ou não, abertamente ou de forma dissimulada, pelas mais diversas razões, boas ou más. A diferença, reside justamente na ocasionalidade e na excepcionalidade, em contraposição com a reiteração do mitomaníaco.

O caso de Marcelo repercute porque ele foi capaz de fazer coisas que nós sequer pensaríamos em começar, o que aponta para todo um contexto de personalidade maquiavélica que somente psicopatas desenvolvem com primazia. São experts em enganar pessoas e sentem orgulho disso a ponto de alimentar seus narcisismos.

A imaginação destes criminosos é fértil em trabalhar para o mal. Se gabam desse talento e podem fazê- lo sem qualquer justificativa ou razão: uma das perguntas mais freqüentes que ouço quando um deles “apronta das suas”, é o motivo pelo qual fazem isso; percebo que as pessoas tendem a não acreditar que o mitomaníaco age de forma gratuita. Por desconhecer as características de personalidade que manifestam, acabam sendo vítimas potenciais desses vermes humanos.

O que ocorre é que confundimos o fato de sermos do bem com a cautela que devíamos ter em lidar com as pessoas, e concluímos que todas são bem intencionadas, abrindo mão de avaliá- las como um todo e não somente em contextos parciais.

O interessante da trajetória desse picareta é que envolveu pessoas famosas que caíram em sua lábia demonstrando assim, não só a capacidade maléfica dele, bem como a fragilidade de quem avalia as pessoas somente por aparências.

Prudência é o nome que se dá quando decidimos selecionar quem fará parte do rol 
de nossas interações. Portanto, pense nisso da próxima vez que for convidar alguém pra fazer parte de sua vida.